sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

FELIZ 2009!!


A felicidade não tem mistérios.
As pessoas infelizes são todas tão parecidas.
Uma ferida antiga, um desejo negado, um golpe na vaidade, um lampejo de amor extinto pelo desprezo-ou, pior, pela indiferença- aderem a elas, ou vic-versa, e assim elas vivem todos os dias envoltas num véu de ontens.
O homem feliz não olha para trás.
Ele não olha para adiante.
Ele vive o presente.
Entretanto, é nisso que reside o problema.
Existe algo que o presente janais pode oferecer: um sentido.
Os caminhos da felicidade e do sentido não são os mesmos.
Para encontrar a felicidade basta que o homem viva apenas o momento; ele não precisa senão viver para o momento.
Mas se deseja encontrar um sentido-um sentido para seus sonhos, para os seus segredos, para sua vida-, o homem deve se reinstalar em seu passado, por mais sombrio que ele seja, e viver para o futuro, por mais que seja incerto.
Assim, a natureza acena a todos com felicidade e o sentido, insistindo apenas para que escolhamos entre eles

Esse email venho para mim...que vivo sempre do passado....sempre chateada com a vida...e acabo esquecendo de viver o que tenho agora...enfim..tenho tentado aprender..mas acho que tenho tanto medo de ser feliz, que acabo escolhendo ser infeliz...talvez seja mais fácil...mas meoooooo...to achando um porre ser chata....tá fazendo quatorze anos que só me lamento....será que já não passou da hora de refazer a vida? ....hoje decidi....terminei um amor que se não deu até agora, não vai dar mais....vou fazer uma cirurgia que EU QUERO fazer.....vou procurar uma pessoa que fique comigo mais tempo, que me ajude, e principalmente, que aceite minha filha e minha familia...do que jeito que são...vou começar a procurar outros trabalhos....vou voltar a fazer minhas bolsas que tanto curto...e pronto....vai ser assim....

Netto Guidotti - envia sempre uns emails tão profundos....

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

O conhecimento “invisível”

Lá vai mais uma de minhas mensagens finalizando o ano...ou natalinas “toscas”, ou como alguns amigos queridos me dizem.....poucas pessoas escrevem como realmente falam e você escreve com profundidade!!! Grandes mentirosos eu diria...tem quem gosta ....tem quem odeia...sei lá..... whatever!!!....português não é lá meu ponto forte.

Bem, talvez toda esta “inspiração” tem sua origem do nada...ou talvez do tudo que observo, que analiso ou simplesmente “incorporo”. Frases como a que ouvi outro dia “tecnologia não é pedagogia” me fazem refletir de fato....pensar em como “tentar” explicar aqui....o tudo que pode ser tecnologia.

Ainda outro dia, ao pegar um papel na escola de minha filha achei engraçado, pois lá estava escrito: proibido portar celulares, mp3, 4, 5 ,6 .....e ai pensei....o seis já era...já foi...já aconteceu!!

Em meus pensamentos, comparei a direção da escola com a frase de minha mãe quando nos anos 80 me perguntou....para que você quer um atari? Eu respondi...quero saber como funciona. Sempre foi assim, destruía aquelas “buzinas” que faziam as bonecas chorarem, quebrava carrinhos de molas de meus irmãos, desmontava despertadores, cartuchos de vídeo games..... só para ver como funcionava.....aquilo tudo me fascinava.....mas logo depois....estava incorporado...não interessava mais...já era!!!

E no mesmo dia do tal mp6, alguém me disse: nunca vou esquecer o que me ensinou, aprendi muito com você, aprendi a trocar hds, formatar maquinas, montar redes...dificilmente algum “técnico” irá me enganar novamente. Cara...não tem noção como isso me irrita, soa totalmente irônico, blaze......pois penso que na verdade, esse alguém pouco aprendeu de fato.

Grande equivoco eu diria....pois ainda hoje, um outro alguém me mostrou um artigo sobre “a morte do hd”. Nas novas tecnologias que surgirão em dias, meses, não existe espaço para hds, cabeamentos e afins, ou seja....o conhecimento adquirido hoje torna-se invisível amanhã...é apenas absorvido..incorporado...ou simplesmente esquecido.

Sou uma profissional de tecnologia, uma educadora, e diria com propriedade, que a frase correta talvez fosse....a tecnologia por si só....não é nada...assim como o giz, a lousa, o caderno, é necessário que sejam absorvidas, compreendidas, trabalhadas e finalmente......incorporadas. Toda mudança tecnológica começa com uma inovação técnica, mas vira cultura ao transformar-se em conhecimento, ao ficar invisível.

Os papiros, a lousa, o livro, o lápis, o giz....a televisão, o vídeo cassete, o dvd, os discos de vinil, a fita cassete, as mídias digitais e finalmente a Internet. Tudo isso é tecnologia.


A própria idéia do computador....teve seu uso inicialmente corporativista, estrategista e aos poucos, estará integrado a geladeira, a televisão, ao microondas...é...o próprio microondas que surge após o fogão elétrico, gás, lenha....e a própria descoberta do fogo. Tudo isso é tecnologia.

Assim, é um engano achar, que a Internet e tudo que vem com ela é algo "tecnológico", totalmente inovador. É, mas apenas no início de uma linha de pensamento. Tecnologia é assim....inovadora....revolucionaria...mas depois de um tempo, é incorporado em nosso cotidiano ou simplesmente......esquecida.

Alguém se lembra dos telefones com disco?? Pois é...foi apenas há 15, 16 anos atrás....hoje a telefonia móvel, faz parte de nossas vidas...parece que sempre esteve conosco. Outro dia li em uma revista: Alguém consegue imaginar o mundo sem celular, sem internet?

Foi incorporado, tornou-se invisível, como uma continuação de nosso corpo, de nosso próprio pensamento. Para uma criança de dez anos a Internet é algo igual a televisão, ou o rádio, ou o celular. Faz parte da vida de forma invisível. Apenas, já é...já aconteceu!!!

Sob este ponto de vista, eu até concordo, tecnologia não é pedagogia. Podemos pensar, que existe um tempo para cada pessoa, para cada grupo ou sociedade, e no momento que determinada tecnologia ou linha de pensamento é muito visível e “incomodante”, criamos atrito e resistimos, até o momento em que ela é incorporada e torna-se “invisível” para a sociedade e para nós mesmos.

É a própria contra cultura. Paradoxal. O invisível se torna cultura, deixa de ser tecnologia e passa a ter seu uso pleno e variado, mudam a sociedade, e a partir de uma nova realidade, altera para sempre nossa maneira de nos posicionarmos no mundo.

Essa invisibilidade inevitável chegará a Escola, transgredindo. A sociedade mudará, a cibercultura de Pierre Levy...do ciberespaço....comunidades virtuais, tudo dentro de um novo ambiente do conhecimento, de uma nova forma de pensar, não mais de uma maneira linear, mas surge uma nova maneira de organização de pensamentos.

A informática, o seu uso em escolas é uma tecnologia diferente de um microondas. Talvez seu incomodo seja porque a informação agora é de todos. O livro teve um papel mais significativo nas mudanças sociais em relação a algumas tecnologias. Por quê?

Talvez porque a Web, a escrita e o livro são tecnologias que giram em ambientes de conhecimento da sociedade e quando essas tecnologias de informação e comunicação sofrem mudanças a sociedade toda se modifica profundamente ao longo do tempo, pois passamos a produzir informação de uma nova forma e mudamos o jeito de nos relacionarmos entre nós e com o conhecimento.

Foi assim, será assim. É uma questão de tempo.

Se não compreendermos esse processo de mudanças tecnológicas que viram cultura, dificilmente conseguiremos pensar em estratégias para o futuro. Não posso acreditar que serão atos isolados como os “nerds” informáticos, grandes corporações como Microsoft, idealistas como os Linux, empreendedores como Steve Jobs, a revolução do google ou mesmo nós.....educadores.

Não, não será cada um isoladamente que “dará conta’” de uma nova visão global....ouso dizer....todos juntos. É um esforço muito grande, uma larga visão, dinâmica, abrangente. Quem perceber a dimensão, quem transgredir.... sai na frente.

Um leigo geralmente é mais sujeito à ataques de fatores externos, perde o foco diversas vezes durante a jornada, até entender a importância de preservá-lo. Saber preservar o ponto de equilíbrio entre tecnologia e conhecimento...faz parte da harmonia. Preservar nossa identidade, não deixar ninguém destruir nossos sonhos, não perder o foco, isso é pensar com racionalidade, tecnologicamente, pois máquinas, na verdade, nascem para ficar invisíveis, devem ser apenas personagens secundários.

Meu trabalho, ainda é um trabalho que para muitos não existem, mas ele está lá, incomodando, agredindo, constrangendo, derrubando “muros” ainda visíveis......esta é minha tese....sou provocativa, transgressora, incomum, muito visível ainda......mas chegará um momento, em que toda a tecnologia da web e a sociedade da informação será incorporada de fato, absorvida, deixará de ser incomodo, as pessoas conseguirão separar a pessoa do personagem, pode ser surreal agora, mas em breve..será apenas parte de um processo que já foi...que aconteceu......totalmente invisível.
Para quem leu até aqui...feliz natal...feliz 2009....cheio de “energia” ou luzes que passaram por diversos caminhos tecnológicos até transformar-se em uma pequena lâmpada, velas acessas com a tecnologia de fósforos que revolucionaram a utilização do fogo, cervejas, sobremesas delicadamente geladas, gelos, brinquedos que imitam sonhos através da tecnologia, flores geneticamente modificadas através de novas tecnologias, roupas bonitas com tecidos ecologicamente corretos....menos tecnologias de guerra....mais pesquisas para utilização racional de células tronco.....lembrou que tudo isso é tecnologia?? Até o show do Roberto Carlos sofreu transformações tecnológicas .....agora será transmitido em HDTV!!!

Mas tente também buscar em seu natal, em seu novo ano, mais humanidade........mais amor.....que também sofreu transformações ...também pode ser virtual....a tecnologia diminuiu distancias. Quando alguém me diz que não pareço de exatas.......que não tenho pensamentos lineares....digo apenas.... sou assim...tecnologicamente ou “ecologicamente” correta...busco o equilíbrio nas artes, na minha maneira de amar, entre conhecer e utilizar uma maquina, cálculos matemáticos, raciocínios lógicos e manter-me apenas humana.

sábado, 6 de dezembro de 2008

PÉROLAS DO ENEM 2008 - PARADOXOS -

O meu blog tem como característica principal, rir com meus amigos, do tal estereotipo da "loira burra". Claro que é uma brincadeira comigo e com todas as loiras e loiros que conheço.
Na verdade, sou uma educadora, e todos que me conhecem sabem (penso eu que pensem assim...) que eu alivio essa coisa de "ter que ser" extremamente inteligente, intelectual 24 horas por dia....(nessas horas...eu penso com a Raíz...como diz Inechi....) mas tenho momentos sérios aqui, reflexões......e este email que acabei de ler...sobre o ENEM...a principio achei muito engraçado....pois é inevitável deixarmos de rir, mas depois.....(claro que levei alguns minutos para pensar....) conclui que estamos rindo de nossa própria sorte....estamos rindo do que deixamos de fazer....nosso papel enquanto educadores...formadores....formadores sim...de futuros cidadãos...futuros médicos...futuros engenheiros....e futuros ....educadores??

O senso comum, nos faz acreditar, que estamos isentos da responsabilidade sobre as chamadas "pérolas do enem"...mas impossível deixar de pensar...onde estamos errando...e o tamanho do erro que estamos cometendo com essas crianças???

Vivemos universos paralelos, realidades sociais e culturais complexas e como duas retas paralelas, nunca irão se encontrar. É como uma grande MATRIX(apenas fazendo uma analogia com o filme)...de um lado crianças com acesso a todo tipo de informação, com orientações de como transformar essa informação em conhecimento, melhores escolas, professores (não diria melhores) apenas mais preparados, mais comprometidos, melhores remunerados...... e paradoxalmente...crianças sem acesso até mesmo geográfico... que percorrem distâncias incalculáveis para ter acesso local a uma escola...muitas vezes....buscam alí..apenas a refeição do dia....porque naquele momento...é apenas isso que importa...essa é a sua realidade.

E esta situação é a mesma para os educadores, falhas na formação deste professor, e a maneira como atua, recebe informações e interage com os alunos, reflete em resultados alarmantes como estes. Na verdade, as frases, mesmo que escritas toscamente, demonstram uma sensibilidade, potenciais escondidos em frases mal formuladas, falta de organização de pensamentos que estão alí, escondidos em uma piada de mal gosto.

Estamos rindo, de nossos próprios erros, é como o Coringa do Batman Dark...instalar o caos no presente...para colher resultados desastrosos no futuro...ou será que seremos perpetuados? Em algum momento de nossas vidas, essas ações não trarão reações?

Até este momento, achava que tudo era uma grande piada, inventada por caras engraçados....mas acho que os grandes escritores de crônicas também estão em falta.
Depois de ver, que tudo isso foi publicado por pessoas "sérias"....penso que trata-se de uma grande "tragédia grega".



http://www.amazonia.org.br/opiniao/artigos.cfm
Amazonologia
Por Eduardo Almeida Reis em 15/11/2008 - Fonte: Correio Braziliense

O artigo:
São comuns na internet plágios, contrafações, textos atribuídos a fulano ou beltrano, quando são de sicrano ou invenção que internautas que preferem ficar anônimos. Coisa feia, esse negócio de anonimato. Coisa feia, também, a transcrição apressada de um texto, atribuindo a terceiros aquilo que escreveram de outra forma, em outro contexto.

O que acho admirável nas pérolas pescadas pelos professores no Enem é que são autênticas. É inimaginável que alguém, mesmo com o propósito de fazer graça, possa inventar aquilo. Quem é o pensador mais engraçado, mais experiente, mais culto do Brasil? Voto em Millôr Fernandes , escritor, teatrólogo, humorista, desenhista, causeur, tradutor de Shakespeare, autor de frases antológicas - profissional completo.

Pois muito bem: se pedissem ao genial Millôr que se trancasse no escritório durante um ano para produzir as pérolas transcritas abaixo, sou capaz de apostar que ele não conseguiria. Recuso-me a incluir as frases no gênero besteirol, que é coisa séria, seriíssima, pressupondo autor com humor e saber; senso de humor e ilustração do público-alvo. Vamos às pérolas.

1) "O problema da amazônia tem uma percussão mundial. Várias ONGs já se estalaram na floresta". 2) "A amazônia é explorada de forma piedosa". 3) "Vamos nos unir juntos de mãos dadas para salvar o planeta". 4) "A floresta tá ali paradinha no lugar dela e vem o homem e créu". 5) "Tem que destruir os destruidores por que o destruimento salva a floresta". 6) "O grande excesso de desmatamento exagerado é a causa da devastação". 7) "Espero que o desmatamento seja instinto". 8) "A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzirem e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo". 9) "A emoção de poluentes atmosféricos aquece a floresta".10) "Tem empresas que contribui para a realização de árvores renováveis". 11) "Animais ficam sem comida e sem dormida por causa das queimadas". 12) "Precisamos de oxigênio para nossa vida eterna". 13) "Os desmatadores cortam árvores naturais da natureza". 14) "A principal vítima do desmatamento é a vida ecológica". 15) "A amazônia tem valor ambiental ilastimável". 16) "Explorar sem atingir árvores sedentárias". 17) "Os estrangeiros já demonstraram diversas fezes enteresse pela amazônia". 18) "Paremos e reflitemos". 19) "A floresta amazônica não pode ser destruída por pessoas não autorizadas".20) "Retirada claudestina de árvores". 21) "Temos que criar leis legais contra isso". 22) "A camada de ozonel". 23) "A amazônia está sendo devastada por pessoas que não tem senso de humor". 24) "A cada hora, muitas árvores são derrubadas por mãos poluídas, sem coração". 25) "A amazônia está sofrendo um grande, enorme e profundíssimo desmatamento devastador, intenso e imperdoável". 26) "Vamos gritar não à devastação e sim à reflorestação". 27) "Uma vez que se paga uma punição xis, se ganha depois vários xises". 28) "A natureza está cobrando uma atitude mais energética dos governantes". 29) "O povo amazônico está sendo usado como bote expiatório". 30) "O aumento da temperatura na terra está cada vez mais aumentando". 31) "Na floresta amazônica tem muitos animais: passarinhos, leões, ursos, etc." 32) "Convivemos com a merchendagem e a politicagem". 33) "Na cama dos deputados foram votadas muitas leis". 34) "Os dismatamentos é a fonte de inlegalidade e distruição da froresta amazonia". 35) "O que vamos deixar para nossos antecedentes?" 36) "A fiscalisação tem que ser preservativa". 37) "Não podem explorar a Amazônia de maneira tão devassaladora".

Copyright © 2001 Amigos da Terra - Amazônia Brasileira. - Todos os direitos reservados.


TÁ BOM....ACABOU O MOMENTO INTELECTUAL...POR FAVOR...AGORA RIAM MUITO....PORQUE CARA...SINCERAMENTE..EU NÃO PAREI DE RIR COM ALGUMAS FRASES...

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

domingo, 16 de novembro de 2008

Desventuras em Série parte II...uma loira....literalmente perdida....

Nessa a culpa foi do inglês....

Dia 25 de setembro mais ou menos....aniversário de uma grande amiga...to eu lá...

tipooooooooooo assim........a festa começou por volta das 12h00 e como Gio tinha inglês....eu só poderia ir...após as 17h00...

Bem...tudo certo...cheguei no curso e mandei um sms para minha fiha dizendo...i m hear.....ok...eu queria dizer im here...ou seja...eu estou aqui....e ai todo mundo saindo e olhando para mim e rindo....tipo assim...um dos cursos mais conceituados em ingles e minha filha fez questão de mostrar para o professor que fez questão de mostrar para os alunos....EU ESTOU CABELO.....

depois desse miko internacional...eu to indo lá....para Jaguariuna.....e com um mapa na mão...escrito condominio long island....bem...para variar me perdi..mas estava com uma expert em inglês do meu lado...e nem arrisquei errar a pronuncia....e perguntava para todos...você conhece o condominio long ailand....falei certinho...e ninguem conhecia...fui parar na porta de uma fabrica tipo uns dez quilometros antes do local e finalmente o porteiro me falou...olha eu conheço o condominio longui eslandi......bem..depois dessa eu achei o lugar...

chegando na portaria..já por volta das 19h00...lembrando que sai do inglês as 17h00 e que a festa tinha começado as 12h00 ...meu celular não tinha sinal no local..e não conseguia falar com minha amiga...

o porteiro perguntou...qual é o nome da chacara...eu disse: sei lá ..eles acabaram de comprar....e falei o nome deles...lembrei que o sobrenome dela ERA gomes...e o nome do marido é carlos....ai falei...CARLOS GOMES....

o cara olhou para mim...com aquela cara de AH TAH!!!...colocou a mão na cintura e falou com aquela cara de quem estava prestes a prender uma sequestradora...uma assaltante....ou simplesmente uma mentira bem tosca....e pronunciou de uma maneira bem lenta...quase que soletrando as palavras.....

CARLOS.....CARLOS GOMES...

BEM...NEM PRECISO DIZER QUE FUI ESCOLTADA PELO CARRO DA SEGURANÇA ATÉ DENTRO DA CHACARA E ATÉ MINHA AMIGA DIZER....TINHA QUE SER A EMILIA!!

Bem...o sobrenome do Carlos é Oliveira...mas o nome da chacara agora é CARLOS...CARLOS GOMES!!

Valeu em Cá...Feliz Aniversário....

Desventuras em Série...uma loira....literalmente perdida....

CAra...tipo assim....eu tento.....

tento ser uma filha boa...ou uma boa filha....(essa nem o google soube responder..)

Claro que já são clássicos...a minha falta total de reconhecimento espacial.......assim como a da maioria das mulheres *em especial....loiras???....mas desta vez...acho que me superei....

7:00 a.m.: a mãe tinha uma consulta marcada para as dez...e o médico mudou de endereço...para um tal conjunto chique ali perto da D. Pedro....

Como tenho que levar Gio para a escola, e depois vou para o trabalho, disse....vamos agora que eu te levo.....ai ela falou...deixa nene...é muito cedo...vou de taxi....não mãe, é muito longe...eu te levo e quem sabe o médico atende mais cedo, depois para voltar a mãe pega um taxi, é mais fácil.

7:10 a.m.: Ligo para o meu xefuxo.....que mais parece um GPS (meo.....como o cara consegue...ele te dá até as coordenadas cartesianas do local..) claro...isso para pessoas normais....(que não é o meu caso). Ligo ...Irto....como faz pra chegar lá no Praça Capital...que fica ali...na D. Pedro...no KM 140....(eu falando como uma conhecedora profunda da D.Pedro...), bem...Irto me explicou em detalhes...vai pelo tapetão....e depois...vem aquele branco....quando trata-se de enderços......eu só consego armazenar a primeira frase (memoria flash)....mas pensei...bem chegar até a D.Pedro eu sei...

7:45 a.m. aprox....to eu lá....na D.Pedro...precisamente em Barão Geraldo...local esse que tive o prazer de rever por mais tres vezes nas proximas tres horas...

7:50 ...o retorno passava o local.....pelo menos descobri como chegar no Shoping D.Pedro....coisa que eu nunca acertava porque entrava na entrada do proprio tapetão...descobri que retornando dava certinho...mas dessa vez não era o D.Pedro..tinha que chegar antes da fabrica da Arcor.....

8:00 fui até o carrefour......lá retornei...e entrei em matão...conforme o guarda rodoviario gentilmente me explicou...passei o cemiterio.....o campo dos amarais.......e fui parar....no centro de campinas!!!...bom seria se eu estivesse tentando chegar no trabalho....pelo menos descobri um atalho novo.....bem...esse trajeto...tive o prazer de fazer apenas mais duas vezes.....e lá fui de novo...barão geraldo...retorno....matão....e meo......fui parar na Decatlon....legal tambem...descobri um caminho legal para chegar .....pois a unica vez que consegui chegar lá para comprar um tenis...o preço já tinha até abaixado......também.....depois da quarta tentativa...em cinco dias diferentes....mas a Decatlon não era meu objetivo naquela manhã....foco....eu tinha que chegar na tal conjunto praça capital....

Finalmente....depois do quinto ou sexto retorno.....parei com um guarda ...com lagrimas nos olhos pedi ajuda.....meo....sabe que mulherzinha chorando.....consegue qualquer coisa....mas...não era esse meu caso......ajuda eu tive muitas......e resolvi ir perguntando a cada um ou dois quilometros...

Retornei novamente no carrefour.....e fui parar na estação ....voltei.......entrei na tal ponte...errei a entrada.....perguntei em uma portaria....voltei....consegui voltar na dom pedro...entrei no ceasa...(o guarda mandou em pegar a marginal.....UMA SAIDA...ELE FALOU...PELO MENOS UMAS TRES VEZES....)....perguntei para o porteiro....dez metros depois para o cara do posto....quando cheguei no matão tinha uns caras vendendo laranja com um caminhão.......e ele finalmente me explicou....que antes da pontinha....que eu já havia passado duas vezes...rumo ao Matão....eu tinha que entrar.....não tinha placa....mas era lá....

Bem.....consegui deixar minha mãe no médico por volta das 9:45....compri minha missão...muito embora fosse uma consulta de rotina.....ela acabou descendo com caimbras nas pernas.....dor de cabeça....desidratada.........e completamente......em estado de choque......depois de tanto tempo perdidas.....acho que intimamente ela estava pensando.....acho que é hoje que eu vou ver o tal São Pedro....e não a Rodovia D.Pedro I.

MEO.....se desde o começo...alguém tivesse me explicado...que não tinha placa...que era um caminho antes da pontinha.....sentido matão e não centro....que tinha que pegar a marginal e não a Rodovia....que o km 140 vinha antes do 139....133...113..............eu teria acertado.....dessa vez..a culpa foi da placa!!!


tá...olhando assim...tudo parece tão fácil.......


TEORIA DO GATO FLUTUANTE....OU COMO LI RECENTEMENTE EM ALGUM LUGAR DO PASSADO.....CAUS....

Clique sobre a imagem para amplia-la.....nuooosssa....essa realmente é minha melhor frase: clique aqui...
Baseado neste fato (o fato acima citado)....e em um determinado profile do Orkut....é onde se pode comprovar novamente....porque as loiras são consideradas....digamos...."toscas"????

Em uma sucessão de erros gramaticais......só para citar alguns...tive o prazer de ler...."a gente olhamos"...e tudo isso é um "Caus".....

Mas a figura que demoradamente escreveu o tratado sobre o gato......nos demonstra...até onde a falta do que fazer nos leva a questões impossiveis....como a figura lá do caus.....meo......tipo assim.....dá area....vaza......cai na real.....ou faz igual o gato ai....passa uma manteiga nas costas e se joga ...quem sabe consegue flutuar???


No comments at all..................

PS: só para lembrar, porque sei que vai ler com certeza ( e ainda não aprendeu que cada um deve ficar no seu quadrado): o estatuto do idoso está ai....se continuar pertubando ou falando o que não deve....lamentavelmente...vou recorrer do estatuto...vou abrir um pequeno processo e vou fazer de sua vida...um verdadeiro "caus....."

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Happy Together - Novo Comercial do Ford Focus.....muito linda!!!

Letra da Música Happy Together - The Turtles

Imagine me and you, I do
I think about you day and night, it’s only right
To think about the girl you love and hold her tight
So happy together

If I should call you up, invest a dime
And you say you belong to me and ease my mind
Imagine how the world could be, so very fine
So happy together

I can’t see me lovin’ nobody but you
For all my life
When you’re with me, baby the skies’ll be blue
For all my life

Me and you and you and me
No matter how they toss the dice, it has to be
The only one for me is you, and you for me
So happy together

I can’t see me lovin’ nobody but you
For all my life
When you’re with me, baby the skies’ll be blue
For all my life

Me and you and you and me
No matter how they toss the dice, it has to be
The only one for me is you, and you for me
So happy together

Ba-ba-ba-ba ba-ba-ba-ba
Ba-ba-ba-ba ba-ba-ba-ba

Me and you and you and me
No matter how they toss the dice, it has to be
The only one for me is you, and you for me
So happy together

So happy together
How is the weather
So happy together
We’re happy together
So happy together
Happy together
So happy together
So happy together (ba-ba-ba-ba ba)





Ainda não viu? Confira o vídeo abaixo e tire suas próprias conclusões:

Comercial do Novo Ford Focus


Imagine eu e você, eu imagino
Eu penso em você dia e noite
É unicamente justo
Pensar na garota que você ama
E segurar ela bem apertado
Tão felizes juntos
Se eu devo te chamar
Conceda um centavo
E me diga que pertence a mim
E acalme minha mente
Imagine como o mundo seria
Tão magnífico
Tão felizes juntos

[refrão]
Eu não me vejo amando ninguém que não seja você
Por toda a minha vida
Quando você está comigo
Os céus serão azuis
Por toda a minha vida
Eu e você
E você e eu
Não importa como lancem o dado
Isso tinha que existir
A única para mim é você
E você pra mim
Tão felizes juntos

[refrão]
Eu e você
E você e eu
Não importa como lancem o dado
Isso tinha que existir
A única pra mim é você
E você pra mim
Tão felizes juntos
Tão felizes juntos
Como é o engano do destino
Tão felizes juntos
Nós somos felizes juntos
Tão felizes juntos...



sábado, 11 de outubro de 2008

TEMPO GANHO....TEMPO PERDIDO...TUDO O QUE NÃO É ÚTIL...É INUTIL....

Tem um cara...que me manda uns emails......D+
Tanks...

ONDE FOI PARAR O TEMPO QUE GANHAMOS?
Marcelo Canellas

Havia mais terrenos baldios. E menos canais de televisão.
E mais cachorros vadios. E menos carros na rua.
Havia carroças na rua. E carroceiros fazendo o pregão dos legumes.
E mascates batendo de porta em porta.
E mendigos pedindo pão velho. Por que os mendigos não pedem mais pão velho?

A Velha do Saco assustava as crianças. O saco era de estopa.
Não havia sacos plásticos, levávamos sacolas de palha para o supermercado.
E cascos vazios para trocar por garrafas cheias.
Refrigerante era caro. Só tomávamos no fim de semana.
As latas de cerveja eram de lata mesmo, não eram de alumínio.
Leite vinha num saco. Ou então o leiteiro entregava em casa, em garrafas de vidro.
Cozinhava-se com banha de porco. Toda dona-de-casa tinha uma lata de banha debaixo da pia.

O barbeador era de metal, e a lâmina era trocada de vez em quando. Mas só a lâmina.
As camas tinham suporte para mosquiteiro.
As casas tinham quintais. Os quintais tinham sempre uma laranjeira, ou uma pereira, ou um pessegueiro.
Comíamos fruta no pé.
Minha vó tinha fogão a lenha. E compotas caseiras abarrotando a despensa.
E chimia de abóbora, e uvada, e pão de casa.

Meu pai tinha um amigo que fumava palheiro.
Era comum fumar palheiro na cidade; tinha-se mais tempo para picar fumo.
Fumo vinha em rolo e cheirava bem.
O café passava pelo coador de pano. As ruas cheiravam a café. Chaleira apitava.
O que há com as chaleiras de hoje que não apitam?

As lojas de discos vendiam long plays e fitas K7.
Supimpa era ter um três-em-um: toca-disco, toca-fita e rádio AM (não havia FM).
Dizia-se 'supimpa', que significa 'bacana'. Pois é, dizia-se 'bacana', saca?
Os telefones tinham disco. Discava-se para alguém. Depois, punha-se o aparelho no gancho.
Telefone tinha gancho. E fio.

Se o seu filho estivesse no quarto dele e você no seu escritório, você dava um berro pra chamar o guri, em vez de mandar um e-mail ou um recado pelo MSN.
Estou falando de outro milênio, é verdade.

Mas o século passado foi ontem! Isso tudo acontecia há apenas 20 ou 25 anos, não mais do que o espaço de uma geração.
A vida ficou muito melhor.
Tudo era mais demorado, mais difícil, mais trabalhoso.
Então por que engolimos o almoço? Então por que estamos sempre atrasados?
Então por que ninguém mais bota cadeiras na calçada?

Alguém pode me explicar onde foi parar o tempo que ganhamos?


E ACHO QUE VOU COMPLEMENTAR COM ESSE.....

Os cinco estágios da carreira* - por Max Gehringer

Existem cinco estágios em uma carreira.


O primeiro estágio é aquele em que um funcionário precisa usar crachá,porque quase ninguém na empresa sabe o nome dele.

No segundo estágio, o funcionário começa a ficar conhecido dentro da empresa e seu sobrenome passa a ser o nome do departamento em que trabalha. Por exemplo, Heitor de Contas à pagar.

No terceiro estágio, o funcionário passa a ser conhecido fora da empresa e o nome da empresa se transforma em sobrenome. Heitor do Banco tal.

No quarto estágio, é acrescentado um título hierárquico ao nome dele: Heitor, diretor do banco tal.

Finalmente, no quinto estágio, vem a distinção definitiva. Pessoas que mal conhecem o Heitor passam a se referir a ele como 'o meu amigo Heitor, diretor do banco tal'. Esse é o momento em que uma pessoa se torna, mesmo contra sua vontade, um amigo profissional'.

Existem algumas diferenças entre um amigo que é amigo e um amigo profissional. Amigos que são amigos trocam sentimentos. Amigos profissionais trocam cartões de visita.

Uma amizade dura para sempre. Uma amizade profissional é uma relação de curto prazo e dura apenas enquanto um estiver sendo útil ao outro.

Amigos de verdade perguntam se podem ajudar. Amigos profissionais solicitam favores. Amigos de verdade estão no coração. Amigos profissionais estão em uma planilha.

É bom ter uma penca de amigos profissionais. É isso que, hoje, chamamos networking, um círculo de relacionamentos puramente profissional. Mas é bom não confundir uma coisa com a outra.

*Amigos profissionais são necessários. Amigos de verdade, indispensáveis.*

Algum dia, e esse dia chega rápido, os únicos amigos com quem poderemos contar serão aqueles poucos que fizemos quando amizade era coisa de amadores.

Max Gehringer

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

DREAM....

Uma gota de chuva

Ficou presa pelo fio

Faiscando a luz do sol

Até se evaporar


Tive pena daquela gota pequena

Que por alguns instantes

Brilhou mais

Que o mais puro brilhante

Para em seguida se apagar...


Quanta gente existe no mundo

Que alardeia virtudes

Que são como gotas de chuva

De efêmero brilhar


Quantas coisas sonhamos

Um dia poder realizar

Porém,como as gotas de chuva

Os sonhos se desfazem

Ao despertar...



sábado, 23 de agosto de 2008

BATMAN - MOMENTO CULTURAL......

Posso dizer...que apesar de loira....esta critica faz referência ao meu comentário no dia da estréia do filme..... http://memoriasdeumaloira.blogspot.com/2008/07/novo-batman-mergulha-fundo-no-lado.html
Batman dá conta das "circunstâncias morais e éticas" da era de mentiras Por: Roberto de Sousa Causo

Ao tratar aqui do filme Batman Begins, em 13 de maio de 2006, eu já afirmava no título a sua conexão com a pulp fiction: "Novo Batman Exibe suas Raízes Pulp".

De lá para cá, pulp se tornou elemento de interlocução literária no Brasil e no exterior, como na defesa do pulp como valor literário ou de difusão da literatura junto ao público leitor, por participantes da chamada "Terceira Onda da Ficção Científica Brasileira", ou pelos envolvidos com a série de antologias originais Ficção de Polpa, da Não Editora, de Porto Alegre, e suas congêneres americanas editadas por Michael Chabon (que resenhamos aqui em 28 de junho de 2008). Especificamente na ficção científica, Joe R. Lansdale organizou a antologia Retro Pulp Tales, em 2006.

É claro que o pulp como tendência ou como construção cultural sempre foi de interesse de um pequeno grupo de apreciadores, que tiveram contato direto com essa produção literária, seja nas pulp magazines ou como livros de bolso (paperbacks) de FC, detetive, guerra ou hard-boiled, como os que chegavam às bancas brasileiras semanalmente durante as décadas de 60 e 70 pelas editoras Monterrey e Cedibra. Um momento de "redescoberta" do pulp se dá, porém, em 1994 com Pulp Fiction, o filme de Quentin Tarantino que recupera o gosto pulp pela violência e pelo bizarro. Maxim Jakubowski cita Tarantino na introdução da antologia que organizou para a editora Carroll & Graff em 1996, The Mammoth Book of Pulp Fiction.

O cinema passou a resgatar mais do pulp, recorrendo até mesmo a gêneros esquecidos, como o de aventuras aéreas, no filme Capitão Sky e o Mundo de Amanhã, que resenhamos em 14 de abril de 2007 (leia aqui). M. Night Shyamalan tem empregado o pulp de maneira mais sofisticada, em Corpo Fechado (2000) e em Fim dos Dias (2008), por exemplo. Mesmo nas últimas tendências da FC e da fantasia, no mundo de língua inglesa - New Weird e New Space Opera - parece que "cada um busca, da sua própria maneira, atualizar ou reinventar esses subgêneros pulp para se alinharam mais com gostos e sensibilidades contemporâneos, enquanto ao mesmo tempo tentam capturar as qualidades que cativaram os leitores para esses subgêneros em primeiro lugar", como Dave Trusdale escreveu em "The New Nostalgia: The Classic Pulp Story Revival" ( http://www.sfsite.com/fsf/2008/dt0807.htm).

Também já tive a oportunidade de escrever nesta coluna (leia aqui), que o interesse pela pulp fiction reflete a situação internacional em que vivemos desde os ataques de 11 de setembro, aos Estados Unidos. Citando o escritor pulp Lester Dent, um dos heróis do romance The Chinatown Death Cloud Peril (2006), de Paul Malmont: "Se é uma mentira, então é real. Se é um monte de mentiras, então é pulp..." Provavelmente isso explica por que esse "retorno" e essa referência ao pulp se tornou um fenômeno internacional no final do século 20 e início do século 21. Política, econômica ou socialmente, vivemos na nova era pulp do "monte de mentiras".

Essa onda pulp estava devendo, porém, uma obra que desse conta das circunstâncias morais e éticas que a era do monte de mentiras implica. Batman: O Cavaleiro das Trevas, pode ser essa obra.

***

O filme de Christopher Nolan é centrado em um novo supervilão, o Coringa, brilhantemente interpretado pelo ator australiano Heath Ledger, há pouco falecido. Coringa começa sua carreira criminosa atacando justamente um banco da máfia - o primeiro de uma série de estabelecimentos do crime organizado que ele acossa, para em seguida se apresentar aos chefões do crime como o único que pode resolver o maior problema que os aflige Gotham - Batman.

Numa linha narrativa paralela, o promotor Harvey Dent, também muito bem interpretado pelo californiano Aaron Eckhart, apoiado pelo prefeito de Gotham (Nestor Carbonell), faz sua própria cruzada contra o crime organizado, prendendo literalmente centenas de bandidos de uma tacada só. Dent corteja uma colega, a promotora assistente Rachel Dawes (Maggie Gyllenhaal, substituindo Katie Holmes), a mulher que Bruce Wayne (Christian Bale) ama. Num jantar com Dent e Rachel, Wayne se convence da sinceridade e da importância de Dent na luta contra o crime, e passa a apóiá-lo. Enfim, temos ainda o inspetor Gordon, noutra boa interpretação de Gary Oldman, conduzindo a sua luta contra o crime com um núcleo de policiais aparentemente intocáveis e que tem acesso a Batman. De fato, ele está entre Batman e Dent, às vezes articulando os interesses de um e de outro.

Completam a galeria de personagens os assistentes de Batman/Wayne, Alfred, o fiel mordomo (Michael Caine), e o executivo-cientista das Indústrias Wayne, Lucius Fox (Morgan Freeman), além do chefão do crime, Salvatore Maroni (Eric Roberts). Gotham City ("interpretada" pela cidade de Chicago) é outra personagem central, desta vez despida dos adereços de FC vistos em imagens geradas por computador, no primeiro filme. Como resultado tanto da solidez das interpretações, quanto do naturalismo do cenário, temos uma Gotham City mais concreta e ao mesmo tempo mais arquetípica, nas linhas nuas do urbanismo monolítico de Chicaco.

Com tantas narrativas diferentes, tantos coadjuvantes ganhando espaço e profundidade para trabalhar bem, e com tanto tempo do filme dedicado à personalidade grotesca e monstruosa do Coringa, é o lado humano de Batman, Bruce Wayne, que é mais sacrificado. Alguns toques inspirados são fornecidos por Nolan, ainda assim: Wayne suturando o próprio braço, mordido por um rottweiller, ou dormindo numa reunião de negócios com o CEO chinês Lau (Chin Han), condutor de um outro subenredo, que leva o herói embuçado até Hong Kong.

A presença chinesa no filme não apenas se refere ao país-sede dos Jogos Olímpicos de 2008, ou à proeminência da China no cenário global neste princípio de século 21, como atualiza a presença oriental - como "perigo amarelo" - da pulp fiction dos anos 20 aos 40.

De qualquer forma, como resultado desse encolhimento da presença de Bruce Wayne, é a figura física de Batman que ganha destaque, e nisso Bale tem um brilho semelhante ao de David Prowse como Darth Vader, em O Império Contra Ataca (1980). E se as melhores falas do filme estão com Heath Ledger, resta a Christian Bale interpretar a angústia e ambigüidade de Batman com o corpo. Ao contrário do que poderia se supor, o personagem ganha uma dimensão central para a proposta deste segundo filme - uma qualidade arquetípica, e por isso mesmo remetendo a valores que superam a circunstância da identidade secreta. Batman é símbolo de heroísmo, de um caráter de resistência contra o crime e o mal. Dentro da sua dicotomia com o Coringa, temos que o supervilão realiza efeito semelhante, e oposto, por suas qualidades de voz e pelo que diz. É uma força do caos, da desordem, da falta de propósito, da destruição aparentemente aleatória. Isso se expressa mais fortemente nas histórias, uma diferente da outra, que ele conta sobre como adquiriu as cicatrizes gêmeas que se prolongam dos cantos de sua boca.

Se Batman e Coringa representam, numa primeira visada, absolutos opostos no espectro do heroísmo e da vilania, Harvey Dent, em sua jornada para se tornar o outro supervilão do filme, o Duas-Caras, é o ponto mediano: o homem de duplo potencial para o bem e para o mal. Sua identificação com Batman permite ao diretor lançar a mesma ambigüidade sobre o herói, sem ser obrigado a caracterizá-lo novamente (o que já foi feito em Batman Begins).

Christopher Nolan faz um jogo sutil de atribuições. Sem conhecer realmente as motivações de Batman, Dent enxerga o melhor nele. E sem conhecer de fato as motivações de Dent, Wayne enxerga o melhor no jovem promotor. Cada um, na verdade, intui o seu próprio lado escuro, e gostaria de ver atribuído a si mesmo uma face mais humana. Esse sofisticado jogo de se criar uma identidade pela projeção sobre o outro também está presente no discurso do Coringa, de que só ele, um louco, pode entender e eliminar um outro - Batman.

O herói, porém, revela a sua verdadeira natureza positiva ao não estender a mesma perspectiva ao Coringa. Se Batman é capaz de torturar o vilão para saber onde estão os reféns que ele ameaça matar a qualquer momento (Rachel entre eles), ele não é capaz de matar friamente o vilão. Conseqüências terríveis surgirão dessas articulações, e o que elas mostram é a situação moral é ética de que falei no início. A pulp fiction freqüentemente apostava em personagens superficiais, nada mais do que tipos condenados aos papéis esperados deles pelas linhas de enredo - tendência que os quadrinhos herdaram -, mas a era pulp em que vivemos exige algo mais. Justamente, o gesto de apontar para o fato de que vivemos além dos papéis esperados, que o que fazemos, especialmente em tempos de crise, é tomar decisões morais, com suas próprias conseqüências. No filme, isto fica patente na situação armada pelo Coringa, em que um navio com todos os criminosos presos por Dent é confrontado com um outro, repleto de homens, mulheres e crianças que deixam Gotham durante a onda de atos terroristas disparada pelo Coringa. Ambos os capitães têm nas mãos o detonador que fará o outro navio explodir.

O Coringa representa a face mais básica do terrorismo: o desejo de romper os laços sociais de solidariedade e de responsabilidade, com atos de violência aleatória que sugerem a incapacidade do Estado de proteger seus cidadãos. A resposta da sociedade seria abrir mão ela mesma dos laços de solidariedade e promover o seu próprio terrorismo de Estado, com a desculpa de estar combatendo o terrorismo? A certa altura Batman revela que criou um sistema que emprega os telefones celulares da população de Gotham para localizar o Coringa. O recurso é referencia clara às denúncias recentes de que, na luta contra o terrorismo islâmico, o governo americano estaria interceptando regularmente dezenas de milhares de ligações telefônicas, ferindo a privacidade dos cidadãos. Mas Wayne entrega o recurso nas mãos de Lucius Fox, para ser usado apenas uma vez e então destruído, para que não possa se tornar uma arma de controle social. Uma escolha moral.

O Cavaleiro das Trevas fecha com uma outra escolha moral, que recai sobre o próprio Batman - exatamente o tipo de atribuição que ele tentara evitar. Uma medida de auto-sacrifício, que é outra coisa que se exige, em tempos de crise. O verdadeiro herói, porém, não a exige dos outros, mas de si mesmo.

Algo que acontece com os quadrinhos, especialmente aqueles menos afeitos ao exagero visual, é um certo aconchego do leitor naquele universo de situações absurdas. Assim como a pulp fiction, muitas HQs de super-heróis (os filhos dos heróis pulp de antes) estão firmemente ancoradas num retrato do cotidiano. A necessária simplicidade dos personagens dos quadrinhos acaba lhes conferindo algo de arquetípico, de universal. Batman: O Cavaleiro das Trevas alcança efeito semelhante, com a mesma estratégia, mas sua discussão das decisões morais o coloca em outro nível. Um filme para se apreciar, e para nos fazer refletir.

Escritor e crítico, Roberto de Sousa Causo é autor do romance A Corrida do Rinoceronte.

Fale com Roberto Causo: roberto.causo@terra.com.br

domingo, 10 de agosto de 2008

Feliz dia do Pai...

Pois é....tenho o meu lado EMO.......mas sei lá....não sei se admiro as pessoas frias e calculistas....particularmente acho que elas sempre escondem algo muito negro em suas almas....admiro mais as transparentes, AS ALMAS IMORAIS....conheço poucas, é bem verdade...pois vivemos em um mundo de hipocrisias necessárias até mesmo...para nossa auto-sobrevivência.....tipo um darwinismo social....selecionando os mais aptos pelos menos aptos....

...meu pai...cuja relação com o mundo e as pessoas....não dá para descrever....um anjo de bondade, de generosidade, de doação. Quem conheceu, sabe do que estou falando.....amor incondicional....foi o que aprendi com ele...a gente dá....sem esperar nada....e por incrível que possa parecer, até eu aprender isso, eu não conseguia ter nada realmente especial....meu....

Hoje, talvez algumas pessoas me achem "trouxa", porque vivemos em um mundo totalmente egocentrista, totalmente hipócrita, mas aprendi com ele, e com minha mãe.......que quando damos alguma coisa, mesmo que seja um pouco do nosso tempo, do nosso conhecimento, do nosso espaço, do nosso ouvido, do nosso olhar.......um abraço......estamos somando e jamais subtraindo ou dividindo...apenas somando....

Em verdade......vivemos em um mundo, onde a mesma pessoa que estendemos a mão, em momentos em que todos viraram as costas...paradoxalmente é a mesma pessoa que pode te destruir em um momento de fragilidade.....ou te empurrar para mais fundo....é o risco....mas...

De que adianta discursos de como mudaremos o mundo, das coisas erradas do mundo, que o mundo blá blá blá...se não nos esforçamos para mudar apenas o nosso pequeno mundo...nosso pequeno espaço...sem a preocupação de grandes feitos, ou de grandes projeções, ou de grandes egos...?

As vezes, em orações, em momentos de profunda saudade de meu pai, penso que ele tenta me dizer....tudo está tão evidente...tão perto...que só percebemos...quando nos distanciamos um pouco de tudo....e enxergamos como uma lente em zoom.... acabamos por ver o todo....e enxergar...a AMORALIDADE.... da alma. ...um lugar...além do que os olhos ou somente pessoas realmente especiais conseguem enxergar.....não apenas olhar.....mas realmente podem ver..

Para meu pai....apenas saudades de um tempo....infelizmente, está na hora de aprender os valores do mundo moderno...infelizmente.....este tempo, onde tudo era mais fácil...mais simples ...já era...e as novas gerações....tão pequenos....tão frageis....tão onipotentes.....não sabem o que perderam...ou melhor....nunca saberão!!!

Obrigada .....meu pai...meus avós...meus tios.....que já se foram...mas que vieram de tão longe...sempre acreditando em um mundo melhor. Deixaram poucos legados....mas deixaram valores.....que transcendem....a Imoralidade da Alma..

Cadeiras na calçada....caminhadas pela linha do trem....pedir benção para o tio...a tia....o avô querido......colher milho na chacara....feijão em volta do pé de milho...laranja lima....água do poço......histórias da fabrica da swift.....histórias dos "cortiços" onde viveram em comunidades....histórias do cemitério...lendas...mitos......histórias....

de pais...e filhos......

Coisa para poucos....por isso ...hoje....exatamente hoje.....entendo o que a avó dizia....não transmita valores para aqueles que não saberão entender...não são merecedores....não jogue pérolas aos porcos....rsrsrsr.....meooooooo....nunca essa frase fez tanto sentido!!!

Amizades não se explicam....

Olha que coisa fofa...recebi por email...engraçado....bem em um momento, onde me sentia tão sozinha...lembrei dos meus amigos...e eles de mim...sem eu falar....apareceram...telefonaram...escreveram.....meooooo...diz se o mundo não é um misterio?????